Bolsa de Suínos
DataDiferidoTributado
15/02/20247,000,00
08/02/20247,200,00
01/02/20247,000,00
25/01/20246,500,00
Notícias
22/02/2024 •  Brasil e Egito fortalecem relações comerciais para exportação de carnes com “pre-listing”
21/02/2024 •  Assim como em 2023, oferta de carne bovina deve continuar a influenciar o preço do suíno em 2024
20/02/2024 •  Carne suína sobe mais que concorrentes e perde competitividade
20/02/2024 •  Suinocultura deve ter expansão saudável em 2024, sustenta ABCS
Eventos
20/03/2024 •  Assembleia Geral Assuvap e Coosuiponte
16/04/2024 •  Avesui 2024
14/05/2024 •  Sinsui 2024
06/06/2024 •  6ª FAVESU
Galerias
31/01/2020 •  Confira as fotos da 10ª Suinfest - 2018
07/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 07/7
06/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 06/7
05/07/2016 •  Fotos: Jantar de Abertura 9ª Suinfest (dia 05/7)
Notícias

Peste Suína Africana continua impactando o mercado global de carne suína



Responsável por enormes perdas nas populações de suínos e drásticas consequências econômicas, a peste suína africana (PSA) tornou-se uma grande crise para a indústria suína nos últimos anos

A Peste Suína Africana (PSA) é uma doença viral altamente contagiosa dos suínos domésticos e selvagens, cuja taxa de mortalidade pode chegar a 100%. 

O vírus é altamente resistente no meio ambiente, o que significa que pode sobreviver em roupas, botas, rodas e outros materiais. Também pode sobreviver em vários produtos suínos, como presunto, salsichas ou bacon. Portanto, os comportamentos humanos podem desempenhar um papel importante na propagação desta doença suína além-fronteiras se não forem tomadas medidas adequadas.

De acordo com a Organização Mundial para Saúde Animal (WOAH, na sigla em inglês), No total, desde janeiro de 2021, a PSA foi relatada como presente em cinco regiões diferentes do mundo em 40 países, afetando mais de 827.000 suíno domésticos e mais de 23.000 javalis (dados relatados por INs e RFUs), com mais de 990.000 perdas de animais.

Neste período 6 países relataram a PSA como primeira ocorrência no país, enquanto 9 países relataram sua propagação para novas zonas. Para a WOAH isso destaca uma propagação contínua da doença em novos países e novas zonas em países já afetados.

Segundo o último relatório do Rabobbank, PSA continua a se espalhar na Ásia, Europa e algumas outras regiões. Embora se espere que o impacto diminua em relação aos níveis dos anos anteriores, a doença continua sendo um curinga e pode continuar a interromper as cadeias de suprimentos e o comércio.

Na América e em alguns países europeus, o PRRS foi um problema em 2022. Embora tenha caído por enquanto nos EUA, o efeito defasado ainda pode ser sentido pelo mercado. Além disso, o PEDv continua sendo um risco potencial para a agricultura em 2023.

Diante disso o banco afirma que a manutenção da biossegurança continuará sendo um foco para 2023, que oferecerá oportunidades para grandes players e provedores de soluções de nutrição/saúde.

O relatório diz que a no processo de lidar com várias doenças, a biossegurança melhorou em todo o mundo. Isso tem consequências significativas para as estruturas agrícolas, principalmente na Ásia, onde os pequenos proprietários foram forçados a abandonar continuamente a produção, deixando mais espaço para as grandes empresas. A China e o Vietnã, em particular, registraram considerável consolidação de mercado, e a tendência continuará.

A Peste Suína Africana (PSA) é uma doença viral altamente contagiosa dos suínos domésticos e selvagens, cuja taxa de mortalidade pode chegar a 100%. 

O vírus é altamente resistente no meio ambiente, o que significa que pode sobreviver em roupas, botas, rodas e outros materiais. Também pode sobreviver em vários produtos suínos, como presunto, salsichas ou bacon. Portanto, os comportamentos humanos podem desempenhar um papel importante na propagação desta doença suína além-fronteiras se não forem tomadas medidas adequadas.

De acordo com a Organização Mundial para Saúde Animal (WOAH, na sigla em inglês), No total, desde janeiro de 2021, a PSA foi relatada como presente em cinco regiões diferentes do mundo em 40 países, afetando mais de 827.000 suíno domésticos e mais de 23.000 javalis (dados relatados por INs e RFUs), com mais de 990.000 perdas de animais.

Neste período 6 países relataram a PSA como primeira ocorrência no país, enquanto 9 países relataram sua propagação para novas zonas. Para a WOAH isso destaca uma propagação contínua da doença em novos países e novas zonas em países já afetados.

Segundo o último relatório do Rabobbank, PSA continua a se espalhar na Ásia, Europa e algumas outras regiões. Embora se espere que o impacto diminua em relação aos níveis dos anos anteriores, a doença continua sendo um curinga e pode continuar a interromper as cadeias de suprimentos e o comércio.

Na América e em alguns países europeus, o PRRS foi um problema em 2022. Embora tenha caído por enquanto nos EUA, o efeito defasado ainda pode ser sentido pelo mercado. Além disso, o PEDv continua sendo um risco potencial para a agricultura em 2023.

Diante disso o banco afirma que a manutenção da biossegurança continuará sendo um foco para 2023, que oferecerá oportunidades para grandes players e provedores de soluções de nutrição/saúde.

O relatório diz que a no processo de lidar com várias doenças, a biossegurança melhorou em todo o mundo. Isso tem consequências significativas para as estruturas agrícolas, principalmente na Ásia, onde os pequenos proprietários foram forçados a abandonar continuamente a produção, deixando mais espaço para as grandes empresas. A China e o Vietnã, em particular, registraram considerável consolidação de mercado, e a tendência continuará.

Leia a matéria completa na edição 310 da Revista Suinocultura Industrial

 


22/03/2023 - Suinocultura Industrial

Para sua segurança, altere a sua senha!


Informe a senha antiga, a nova senha e, em seguida, repita a nova senha e clique o botão salvar.


Senha Antiga


Nova Senha


Repita a Nova Senha


   
Label