Bolsa de Suínos
DataDiferidoTributado
24/11/20227,500,00
17/11/20227,500,00
10/11/20227,500,00
03/11/20227,500,00
Notícias
29/11/2022 •  MAPA promove em Santa Catarina treinamento contra a peste suína
29/11/2022 •  Brasil exporta sua primeira carga de milho à China
28/11/2022 •  ABCS participa de “Encontro de Lideranças” da FPA em Brasília
28/11/2022 •  Indústria de carne suína do Reino Unido contrata produtores filipinos para substituir trabalhadores da UE
Eventos
01/12/2022 •  Evento Coosuiponte
27/04/2023 •  AVESUI 2023
Galerias
31/01/2020 •  Confira as fotos da 10ª Suinfest - 2018
07/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 07/7
06/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 06/7
05/07/2016 •  Fotos: Jantar de Abertura 9ª Suinfest (dia 05/7)
Notícias

A importância da poderosa suinocultura brasileira em números




O Brasil é o quarto maior produtor e quarto maior exportador de carne suína do mundo. Seus dois principais modelos de produção, verticalizado ou independente, são responsáveis por produzir cerca de 4,7 milhões de toneladas de carne suína em 2021. No mesmo ano, toda a cadeia produtiva, da fazenda ao consumidor, movimentou US$ 58,8 bilhões (R$ 5/US$ 1), de acordo com mapeamento da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS) de 2016 com as correções sobre crescimento da produção e inflação (IPCA) até 2021. Mais de 1,2 milhão de pessoas vivem diretamente da suinocultura no Brasil.

De acordo com a ABCS, a movimentação de insumos para a produção de suínos, como rações, medicamentos, vacinas e aditivos alimentares, equipamentos, veículos, entre outros, foi de US$ 5,52 bilhões, crescimento de aproximadamente 95% em relação a 2016, quando esse setor da suinocultura brasileira movimentou US$ 2,82 bilhões.

Em seis anos a movimentação financeira nas granjas praticamente dobrou, de US$ 3,24 bilhões no ano de 2016 para US$ 6,34 bilhões no ano passado. A movimentação de recursos da indústria até o consumidor final foi de mais de US$ 46 bilhões, frente a US$ 23,5 bilhões em 2016. Em 2021, os agentes facilitadores da suinocultura movimentaram pouco mais de US$ 700 milhões.

A suinocultura é uma grande provedora de impostos para o governo federal, governos estaduais e governos municipais. Ao todo, em 2021, foram RUS$ 6,9 bilhões de impostos agregados arrecadados pela a indústria produtora de carne suína no país.

Nos últimos seis anos o número de pessoas ligadas à suinocultura também aumentou, passando de 126 mil empregos diretos em 2016 para 156 mil empregos diretos em 2021. Os empregos indiretos passaram de 923 mil para 1,14 milhão, de acordo com a ABCS.

Qual o tamanho da produção?

O Brasil é o quarto maior produtor de carne suína do mundo, com 4,70 milhões de toneladas produzidas em 2021 atrás da China (48,85 milhões de toneladas), União Europeia, composta por 27 países (23,68 milhões de toneladas) e Estados Unidos (12,56 milhões de toneladas). Em quinto lugar aparece a Rússia, com 3,70 milhões de toneladas produzidas em 2021.

Ao todo, o mundo produziu quase 109 milhões de toneladas de carne suína em 2021, aumento expressivo em relação a 2020, quando foram produzidas 95,75 milhões de toneladas, muito por conta da Peste Suína Africana que derrubou a produção da China em quase 12 milhões de toneladas em 2020 (imagem 1). As informações são do Relatório Anual da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABCS).

Nos últimos 11 anos o Brasil aumentou mais de 45% seu volume produzido de carne suína. Foram 3,23 milhões de toneladas em 2011 contra 4,70 milhões no ano passado. Confira na imagem 2 a evolução da produção de carne suína no Brasil.

Mais produtividade com menos porcas

O emprego de alta tecnologia, melhores práticas de bem-estar, nutrição de precisão, genética avançada e manejo profissional fizeram com que o Brasil produzisse mais carne com menos matrizes alojadas na última década. Em 2011, eram 2,41 milhões de matrizes para produzir 3,23 milhões de toneladas. Hoje são 2,01 milhão de matrizes para produzir 4,70 milhões de toneladas. Na imagem 3 veja a evolução no número de matrizes alojadas nas granjas do Brasil.

Valor da produção

O Valor Bruto da Produção (VBP) da suinocultura, que significa apenas a movimentação financeira dentro das granjas, aumentou significativamente em 11 anos, de US$ 4,3 bilhões em 2010 para US$ 6,28 bilhões no ano passado.

O setor, no entanto, teve uma pequena queda em relação a 2020, quando o Valor Bruto da Produção da suinocultura chegou a US$ 6,51 bilhões (imagem 4).

Onde fica a produção

Os três Estados da região Sul do Brasil (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná), respondem juntos por mais de 70% dos abates de suínos do Brasil. Em primeiro lugar aparece Santa Catarina, estado brasileiro que há 15 anos é considerado livre de febre aftosa sem vacinação.

Em 2021 o Estado foi responsável por 31,56% dos abates, seguido de Rio Grande do Sul (20,72%) e Paraná (19,20%). Na sequência aparecem Minas Gerais, com 9,70% dos abates, Mato Grosso (6,27%), Mato Grosso do Sul (5,50%), Goiás (3,64%) e São Paulo (3,22%).

Vale destacar que as plantas frigoríficas estão próximas às granjas, que ficam distantes de grandes cidades e regiões metropolitanas. Além disso, ficam próximas às produções de grãos, como milho e soja, e distantes do bioma amazônico. Confira em detalhes na imagem 5 onde é feito o abate de suínos no Brasil.

Consumo interno e exportações

O brasileiro é um fã de carne. De acordo com a ABCS, em 2020 a média de consumo de cada brasileiro foi de aproximadamente 27 quilos de carne bovina, 47 quilos de frango e 16 quilos de carne suína, além de aproximadamente 9 quilos de peixes per capta. É considerado um dos maiores consumidores de carnes do planeta.

O consumo de carne suína tem aumentado nos últimos anos, especialmente a part6ir do ano de 2018, quando rompeu a barreira dos 15 quilos. De toda a carne suína produzida no Brasil, mais de 75% alimenta o mercado interno.

O restante, aproximadamente 25%, é exportado para aproximadamente 85 países. Confira o destino da produção brasileira de carne suína em 2021 (imagem 6) e a evolução do consumo per capta no mercado interno (imagem 7).

Exportações aumentam

A partir de 2015 as exportações brasileiras de carne suína aumentaram significativamente. Nos últimos seis anos o volume de embarques mais que dobrou, passando de 555 mil toneladas em 2015 para 1,14 milhão de toneladas em 2021.

A receita com as vendas externas também mais que dobrou nesse período, de US$ 1,28 bilhão em 2015 para US$ 2,64 bilhões no ano passado. Confira na imagem 8 a evolução das exportações brasileiras de carne suína em receita e volume.

Principais exportadores e destinos

Santa Catarina é absoluta quando o assunto é exportação de carne suína. O estado é responsável por 51,63% dos embarques. Em segundo aparece o Rio Grande do Sul (26,72% de participação nas exportações, Paraná, com 13,99%, Mato Grosso (2,49%) e Minas Gerais (2,03%). Outros estados somam 3,14% das exportações de carne suína. Confira detalhes na imagem 9.

O principal destino das exportações brasileiras de carne suína é a Ásia, sobretudo a China e Hong Kong. O continente foi responsável por mais de 75% das exportações brasileiras, seguido da América (15,46%), África (5,70%), Oriente Médio (2,48%), Europa (1,13%) e Oceania (0,02%). Confira na imagem 10.

Na imagem 11 conheça os 15 maiores importadores de carne suína do Brasil em 2021.

Custo de produção

O preço das commodities elevado nos últimos anos fez disparar os custos de produção dos suínos no Brasil.

No ano de 2021, a alimentação foi responsável por mais de 80% dos custos totais para produzir suínos nas granjas brasileiras. Confira na imagem 12 a composição dos custos de produção no Brasil em 2021.

Resumo estatístico

O Brasil é um grande produtor, consumidor e exportador de carne suína, sendo considerado player fundamental para a produção mundial dessa proteína. Confira na imagem 13 um resumo do setor de produção de carne suína no Brasil.

 


07/11/2022 - O Presente Rural

Para sua segurança, altere a sua senha!


Informe a senha antiga, a nova senha e, em seguida, repita a nova senha e clique o botão salvar.


Senha Antiga


Nova Senha


Repita a Nova Senha


   
Label