Bolsa de Suínos
DataDiferidoTributado
13/01/20225,800,00
06/01/20225,800,00
30/12/20216,400,00
23/12/20216,900,00
Notícias
13/01/2022 •  Bolsa de Suínos do Interior de Minas (BSim) define preço a R$ 5,80
12/01/2022 •  [Artigo - Basetto e Hipra] Controle da Doença de Glasser através da proteção heteróloga
11/01/2022 •  [Na mídia] China volta a produzir muito milho
11/01/2022 •  [Na mídia] Em transplante inédito, homem recebe coração de porco geneticamente modificado, nos EUA
Galerias
31/01/2020 •  Confira as fotos da 10ª Suinfest - 2018
07/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 07/7
06/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 06/7
05/07/2016 •  Fotos: Jantar de Abertura 9ª Suinfest (dia 05/7)
Notícias

[Na mídia] Embrapa diz que Brasil está preparado para evitar entrada da peste suína africana




O retorno da PSA, que foi erradicada no Brasil desde 1970, pode causar prejuízos de aproximadamente US$ 5,5 bilhões no primeiro ano

 

Por Canal Rural

 

Em julho deste ano, um foco de peste suína africana (PSA) na República Dominicana deixou em alerta autoridades de sanidade animal no Brasil, especialmente para o setor da suinocultura.  Apesar da doença ter sido erradicada no final da década de 1970 aqui no Brasil, pesquisadores e produtores se mostram preocupados já que o retorno da PSA pode causar um prejuízo de aproximadamente 5,5 bilhões de dólares no primeiro ano.

 
“As carnes brasileiras trazem aproximadamente 15 bilhões de dólares de divisas para o Brasil, que exporta hoje 23% da carne suína produzida. Pela lei da oferta e procura, toda essa carne iria ’sobrar‘ e causar uma grande queda dos preços, levando a prejuízos para os produtores e desemprego tanto direto como indireto da cadeia da carne suína no Brasil”, explica o pesquisador Luizinho Caron, da área de virologia da Embrapa Suínos e Aves.
 
 
A peste suína africana é uma doença viral e altamente contagiosa que afeta somente os suínos, não possui cura e tratamento, elevando a taxa de mortalidade dos animais. De acordo com os pesquisadores 78% dos rebanhos suínos ao redor do mundo estão em condição de risco para a PSA. Ainda neste âmbito, os pesquisadores alertam que as autoridades precisam estar preparadas para conter a chegada da doença e trabalhar em conjunto com a saúde animal dos países afetados. “Assim como o vírus chegou a essa ilha das Américas, também pode ter chegado a outros países. O importante neste momento é auxiliar os países com a infecção a eliminar a doença e melhorar as medidas de biosseguridade para evitar a entrada e eventuais pontos frágeis”, explica Caron.
 
 
Graças às medidas de vigilância e controle de saúde animal adotadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), além do avanço da biosseguridade da suinocultura, o Brasil se mantém fora da lista de países com risco de PSA. “Uma prova da eficiência dos nossos serviços de vigilância e defesa da saúde animal é que vários países vizinhos são endêmicos para enfermidades dos suínos como PEDV (Diarreia Epidêmica dos Suínos) e PRRS (Síndrome Reprodutiva e Respiratórias dos Suínos) e essas enfermidades ainda não foram diagnosticadas nos rebanhos do Brasil”, declara a pesquisadora da Embrapa Janice Zanella, virologista da área de suínos.
 
 
Os pesquisadores ainda orientam que para o produtor rural a se manter livre da PSA, podem seguir algumas práticas de manejo, como evitar a entrada de visitantes às granjas, não alimentar os animais com resto de comida humana, especialmente se contiver carne suína, combater o transporte ilegal de animais, sempre sujeito a riscos sanitários, reportar às autoridades sanitárias possíveis alterações nos animais como  doenças hemorrágicas e mortes suspeitas.

17/11/2021

Para sua segurança, altere a sua senha!


Informe a senha antiga, a nova senha e, em seguida, repita a nova senha e clique o botão salvar.


Senha Antiga


Nova Senha


Repita a Nova Senha


   
Label