Bolsa de Suínos
DataDiferidoTributado
21/01/20216,100,00
14/01/20217,200,00
07/01/20217,600,00
23/12/20207,600,00
Notícias
21/01/2021 •  Bolsa de Suínos do Interior de Minas (BSim) define preço a R$ 6,10
20/01/2021 •  Coosuiponte fecha auditoria anual com excelência nos relatórios
20/01/2021 •  [Opinião] Qual a relação dos custos de produção com os preços dos suínos vivos em 2020?
19/01/2021 •  [Na mídia] Em 10 dias, exportações de carne suína já são metade de janeiro de 2020
Galerias
31/01/2020 •  Confira as fotos da 10ª Suinfest - 2018
07/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 07/7
06/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 06/7
05/07/2016 •  Fotos: Jantar de Abertura 9ª Suinfest (dia 05/7)
Notícias

[Ourofino - Empresa +Parceira] Desafios Respiratórios na Suinocultura




Por Andrea Panzardi*
 
 
As doenças respiratórias representam atualmente um dos maiores desafios dentro da suinocultura moderna gerando alto prejuízo econômico e produtivo. 
 
 
Estas perdas são representadas por aumento nos gastos com medicamentos, prejuízos nos índices zootécnicos e condenações de carcaças nos abatedouros.
 
 
Um estudo brasileiro demonstrou que 69,3% dos animais apresentam lesões pulmonares ao abate e estima-se que 0,5% dos suínos abatidos no Brasil tenham suas carcaças desviadas da linha de abate por lesões respiratórias.
 
 
Os principais agentes envolvidos nas doenças respiratórias em suínos são enzoóticos na maioria das granjas, sendo que alguns deles fazem parte da microbiota normal do trato respiratório, estes vão desde bactérias, vírus, micoplasmas, podendo ser os responsáveis primários, secundários e ocasionais (Quadro 1). 
 
 
A etiologia dos problemas respiratórios em suínos é complexa, normalmente ocorre interação de dois ou mais agentes infecciosos, além do envolvimento de fatores de risco relacionados ao manejo e ambiente onde os animais são criados, com isso o termo “complexo respiratório dos suínos” (CRS) tem sido muito utilizado para referenciar os quadros clínicos.
 
 
Atualmente nos quadros complexos de pneumonia há interação do SIV tipo A, M. hyopneumoniae e PCV2 como agentes primários e Pasteurella multocida como secundário, apesar de seu papel como agente primário já ter sido estabelecido no Brasil.
 
 
As perdas por pneumonia enzoótica, por exemplo, podem chegar a 20% na conversão alimentar e 30% no GPD, dependendo da gravidade das lesões causadas por infecções secundárias e ainda pode atrasar o abate de 6 a 25 dias. Em 2008 foi estimado que 0,5% das carcaças de suínos abatidos no Brasil foram desviadas da linha de abate por lesões respiratórias.
 
 
Portanto, é imprescindível criar e manter um programa mais adequado de biossegurança reduzindo a chance de desenvolvimento de desafios respiratórios complexos, realizar um bom manejo de colostro nos leitões ao nascimento auxiliará na redução de possíveis desafios respiratórios e garantir uma boa ambiência para que os patógenos comensais e oportunistas não consigam desenvolver quadros subclínico ou clínico.
 
 
A Ourofino Saúde animal tem em seu portfólio dois importantes produtos para o Suinocultor utilizar no Complexo de Doenças Respiratórias. São eles o Lactofur e Resolutor.
 
 
LACTOFUR:
Ceftiofur a 10%, altamente concentrado e com amplo espectro de ação,
Moderno: Cefalosporina de 3ª geração,
1mL para cada 20 kg de peso vivo,
Não necessita período de carência, ou seja, ideal para ser utilizado também nos animais da terminação.
 
 
RESOLUTOR:
Marbofloxacina 20%, a mais concentrada do mercado,
Atinge elevada concentração em células imunes,
Alta lipossolubilidade – facilidade em atravessar a membrana plasmática de células,
1 mL para cada 25 kg de peso vivo.
 


10/12/2020

Para sua segurança, altere a sua senha!


Informe a senha antiga, a nova senha e, em seguida, repita a nova senha e clique o botão salvar.


Senha Antiga


Nova Senha


Repita a Nova Senha


   
Label