Bolsa de Suínos
DataDiferidoTributado
18/08/20228,000,00
11/08/20228,200,00
04/08/20227,900,00
28/07/20227,200,00
Notícias
18/08/2022 •  Realinhamento de mercado leva a reajuste na BSim
17/08/2022 •  República Dominicana abre mercado para suínos do Brasil
17/08/2022 •  Soja e milho recuam em Chicago por preocupações com demanda chinesa
16/08/2022 •  Coosuiponte marca presença no 14º Simpósio Brasil Sul
Eventos
18/08/2022 •  Simpósio Brasil Sul de Suinocultura – SBSS
26/08/2022 •  Circuito Nacional Danbred Brasil
27/10/2022 •  PORKEXPO E 10º CONGRESSO INTERNACIONAL DE SUINOCULTURA’
Galerias
31/01/2020 •  Confira as fotos da 10ª Suinfest - 2018
07/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 07/7
06/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 06/7
05/07/2016 •  Fotos: Jantar de Abertura 9ª Suinfest (dia 05/7)
Notícias

Apesar de previsão de queda de 36% nas importações de carne suína pela China, 2º semestre deve haver necessidade de compras externas



Segundo analista, descarte de matrizes e enxugamento dos plantéis chineses devem gerar necessidade de importação, mas não em volume que deva reverter os 36% de recuo previstos

Apesar da previsão de redução nas importações de carne suína pela China neste ano, de acordo com o analista da área de proteínas animais do Rabobank, Wagner Hiroshi Yanaguizawa, neste segundo semestre o gigante asiático ainda deve ter demanda por compras externas. Isso porque desde meados do ano passado, com a desvalorização da carne suína produzida localmente, houve um descarte de matrizes que está se refletindo agora em menos animais para abate.

A perspectiva apontada por Yanaguizawa é de um recuo de 36% nas importações de carne suína pela China em 2022, valor próximo ao estimado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) de 39% de redução. 

Entretanto, na segunda metade do ano é quando a China costuma agregar estoques, seja pelo feriado da "Golden Week", em outubro, ou para o Ano Novo Lunar, em Fevereiro. Ainda que deva haver essa demanda por compras externas, ele não acredita que deva reverter a prospecção de queda de mais de 30%.

A queda na oferta de animais para abate na China e, consequentemente, aumento no preço da carne produzida localmente, se deve também Às dificuldades com os custos de produção e logística, o que têm desestimulado produtores e gerado o enxugamento de planteis.

Soma-se a isso o possível aumento dos preços da proteína em âmbito internacional, olhando pelo viés dos casos de Peste Suína Africana em países da União Europeia. Sendo assim, há chances de incremento, ainda que mais tímido, de volumes importados do Brasil e preços melhores.


14/07/2022 - Por Noticias Agrícolas

Para sua segurança, altere a sua senha!


Informe a senha antiga, a nova senha e, em seguida, repita a nova senha e clique o botão salvar.


Senha Antiga


Nova Senha


Repita a Nova Senha


   
Label