Bolsa de Suínos
DataDiferidoTributado
23/06/20227,500,00
09/06/20227,500,00
02/06/20226,900,00
26/05/20226,200,00
Notícias
27/06/2022 •  Jairo Martiniano aborda Liderança Positiva na abertura da Suinfair
23/06/2022 •  Manutenção da Bsim
22/06/2022 •  Confira a programação completa da Suinfair
22/06/2022 •  Pré-Congresso do IPVS2022 dá o pontapé inicial para atualização e decisões do setor suinícola mundial
Eventos
07/07/2022 •  Suinfair
12/08/2022 •  46º Dia Estadual do Porco
18/08/2022 •  Simpósio Brasil Sul de Suinocultura – SBSS
27/10/2022 •  PORKEXPO E 10º CONGRESSO INTERNACIONAL DE SUINOCULTURA’
Galerias
31/01/2020 •  Confira as fotos da 10ª Suinfest - 2018
07/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 07/7
06/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 06/7
05/07/2016 •  Fotos: Jantar de Abertura 9ª Suinfest (dia 05/7)
Notícias

Procedimentos associados a redução de antimicrobianos juntamente com a redução de custos




Diante do desafio em torno da temática redução de custos e redução de antimicrobianos, será citado neste checklist, de forma simples e prática, procedimentos imprescindíveis a serem implementados nas granjas, que visam prevenir, minimizar e controlar os desafios sanitários frente aos agentes patogênicos.

Prepare a caneta, marque com um X o que já é colocado em prática em sua granja e se desafie a ter 100% de aproveitamento diante de todas as sugestões.

 

  • (  ) Garantir um período de quarentena para animais recém-chegados na granja.
  • (  ) Manter restrita a entrada de pessoas e veículos; solicitar sempre o vazio sanitário de pelo menos 24 horas para entrada na granja. Veículos devem estar limpos e desinfetados.
  • (  ) Disponibilizar roupas e botas aos técnicos e visitantes.
  • (  ) Certificar que antes do alojamento dos animais, os galpões e salas estejam limpos e secos. Na limpeza, deve ser utilizado detergente e desinfetante; se necessário desinfetar 2x. Não esquecer de, estrategicamente, cumprir o vazio sanitário mínimo de 3 dias. O ambiente é uma fonte de infecção quando não higienizado corretamente.
  • (  ) Garantir a aclimatação de leitoas egressas na granja. Este é o melhor método para controlar a imunidade do plantel.
  • (  ) Manter uma ambiência ideal para cada fase de produção (temperatura, umidade, ausência de gases, excesso de poeiras, entre outros). Obs.: Os leitões devem ser treinados para entrar no escamoteador, a temperatura ambiente da sala de maternidade tem seu foco para a matriz. O escamoteador deve estar limpo, seco, quente e iluminado.
  • (  ) Fazer, com frequência, pulverizações com desinfetantes específicos em fases de produção sensíveis, com intuito de reduzir a pressão de infecção do ambiente. Obs.: manusear o produto e fazer diluições conforme orientações do fabricante.
  • (  ) Evitar superlotação em baias, manter densidade para cada fase de produção conforme Instrução Normativa nº 113 de 16 de dezembro de 2020. Animais confinados devem ter livre acesso ao comedouro e bebedouro.
  • (  ) Atualizar semestralmente, através de treinamentos, os protocolos vacinais e procedimentos de vacinação. Verificar se a agulha utilizada está em conformidade com o tamanho do animal. Garantir que acondicionamento e recebimento de vacinas estão sendo realizados da forma correta. Obs.: Se necessário, avaliar com o técnico responsável a necessidade de vacinação em massa das matrizes.
  • (  ) Garantir ingestão de colostro suficiente a todos os leitões recém-nascidos. Evitar prender os leitões e, quando necessário, fazer o manejo estrategicamente e não exceder 30 minutos.
  • (  ) Monitorar a fêmea durante o intervalo entre o pré-parto e pós-parto. Estimular a matriz a ingerir água e ração para garantir uma boa produção de leite.
  • Incluir, em cada setor, uma baia hospital. Definir um colaborador enfermeiro para realizar tratamentos injetáveis individuais quando necessário, para resolver ou minimizar sinais clínicos e prevenir a propagação de doenças.
  • (  ) Assegurar uma boa qualidade da água e quantidade de chupetas disponível para a quantidade de animais presentes na baia. Verificar vazão, altura, posição e tipo de chupeta para cada fase de produção.
  • (  ) Garantir a homogeneidade de mistura na fábrica de ração. É necessário que todos os animais tenham acesso e possam ingerir, através da ração, o mesmo nível nutricional estipulado pelo nutricionista responsável.
  • (  ) Controlar a qualidade da matéria-prima obtida, enviar frequentemente amostras de ingredientes para análises. Se necessário, fazer devolução da carga.
  • (  ) Monitorar o controle de pragas e roedores. Se possível, contratar uma empresa especialista para executar essa função.

 

Após colocar em prática todas as sugestões, estabeleça juntamente com seu médico-veterinário o melhor programa terapêutico para sua realidade. Assim, ultrapassará a necessidade de utilização de moléculas terapêuticas para sobrepor manejos não realizados pela granja.

Analise também com seu nutricionista, quais as melhores opções de aditivos se encaixam na produção, visando o melhor custo-benefício.

 

Lembre-se: melhor que tratar é evitar!

 

Gostou das orientações? Para mais informações, ligue: (31) 97129-5522

 

 

 


18/05/2022 - Tamires Gomes Cordeiro/ Médica-Veterinária e Responsável Técnica pela COOSUIPONTE.

Para sua segurança, altere a sua senha!


Informe a senha antiga, a nova senha e, em seguida, repita a nova senha e clique o botão salvar.


Senha Antiga


Nova Senha


Repita a Nova Senha


   
Label