Bolsa de Suínos
DataDiferidoTributado
10/06/20217,700,00
02/06/20216,700,00
27/05/20216,200,00
20/05/20215,700,00
Notícias
10/06/2021 •  Bolsa de Suínos do Interior de Minas (BSim) define preço a R$ 7,70
08/06/2021 •  Campanha Bom de preço, bom de prato movimenta açougues do Vale do Piranga
08/06/2021 •  [Na mídia] Brasil exporta menos carne, mas registra aumento de faturamento
07/06/2021 •  [Na mídia] ABATE DE SUÍNOS SOBE 5,7% NO 1º TRIMESTRE/2021
Galerias
31/01/2020 •  Confira as fotos da 10ª Suinfest - 2018
07/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 07/7
06/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 06/7
05/07/2016 •  Fotos: Jantar de Abertura 9ª Suinfest (dia 05/7)
Notícias

[Artigo] Arraçoamento de matrizes no dia do parto: uma estratégia importante para aumentar a sobrevivência do leitão




Por Dra. Ana Paula Liboreiro Brustolini
 
 
Reduzir as perdas causadas pelo aumento do número de nascidos totais têm sido um desafio da suinocultura moderna, uma vez que, o aumento deste número tem correlação negativa com o peso ao nascimento, maior coeficiente de variação de peso dentro da leitegada e correlação positiva com a duração do parto. A duração do parto e intervalo entre nascimentos, por sua vez, interfere no número de leitões nascidos vivos, capacidade de produção de colostro e vitalidade dos leitões.
 
 
Dentre os assuntos com mais enfoque está o status energético da matriz durante o parto. Tem-se observado que o fornecimento de energia para fêmea no dia do parto é uma intervenção nutricional valiosa pois melhora a cinética do parto e desempenho dos leitões no início da vida (Oliveira et al., 2020). Feyera et al. (2018) comprovaram que o tempo entre a última refeição até o nascimento do primeiro leitão tem impacto sobre: duração do parto, incidência de natimortos e necessidade de intervenções no parto. Em conclusão este estudo sugeriu que o fornecimento de pelo menos 3 refeições diárias, de aproximadamente 2.470 Kcal de energia metabólica/ refeição, pode melhorar o status energético da porca, melhorar o processo de parto e, assim, reduzir o número de leitões natimortos.
 
 
Oliveiro et al. (2020) observaram que, leitões de fêmeas suplementadas no dia do parto demoram aproximadamente 47% menos tempo para iniciar a mamada, consumiram, em média, 17% mais de colostro e ganharam aproximadamente 24% mais peso nas 24 horas de vida. Ingestão insuficiente de colostro por leitões recém-nascidos é considerada a principal causa de mortes de leitões nas primeiras 24 horas após o nascimento (Quesnel et al., 2012).
Arraçoar as matrizes de forma adequada no dia do parto é um manejo simples de ser implementado e que proporciona benefícios reprodutivos e de desempenho. Qualquer estratégia que tente acelerar o processo de parto e minimizar as complicações do mesmo, deve ser considerada.
 
 
Consequências do aumento do tamanho de leitegada:
 
 
 
 
Literatura consultada:
 
Feldpausch JA, Jourquin J, Bergstrom JR, Bargen JL, Bokenkroger CD, Davis DL, Gonzalez JM, Nelssen JL, Puls CL, Trout WE and Ritter MJ 2019. Birth weight threshold for identifying piglets at risk for preweaning mortality. Translational Animal Science 3, 633–640.
 
Van Dijk AJ, Van Rens BTTM, Van Der Lende T and Taverne MAM 2005. Factors affecting duration of the expulsive stage of parturition and piglet birth intervals in sows with uncomplicated, spontaneous farrowings. Theriogenology 64, 1573–1590.
 
Feyera T and Theil PK 2017. Energy and lysine requirements and balances of sows during transition and lactation: a factorial approach. Livestock Science 201, 50–57.
 
Yang Y, Hu CJ, Zhao X, Xiao K, Deng M, Zhang L, Qiu X, Deng J, Yin Y and Tan C 2019. Dietary energy sources during late gestation and lactation of sows: effects on performance, glucolipid metabolism, oxidative status of sows, and their offspring. Journal of Animal Science 97, 4608–4618.
 
Wray S 2015. Insights from physiology into myometrial function and dysfunction. Experimental Physiology 100, 1468–1476.
 
Alonso-Spilsbury M, Mota-Rojas D, Villanueva-García D, Martínez-Burnes J, Orozco H, Ramírez-Necoechea R, Mayagoitia AL and Trujillo ME 2005. Perinatal asphyxia pathophysiology in pig and human: a review. Animal Reproduction Science 90, 1–30.
 
Muns R, Nuntapaitoon M and Tummaruk P 2016. Non-infectious causes of preweaning mortality in piglets. Livestock Science 184, 46–57.
 
Quesnel H, Farmer C and Devillers N 2012. Colostrum intake: influence on piglet performance and factors of variation. Livestock Science 145, 105–114.
 
Canario, L., N. Roy, J. Gruand, and J. Bidanel. 2006. Genetic variation of farrowing kinetics traits and their relationships with litter size and perinatal mortality in French Large White sows. J. Anim. Sci. 84:1053–1058.
 
Feyera T, Pedersen TF, Krogh U, Foldager L and Theil PK 2018. Impact of sow energy status during farrowing on farrowing kinetics, frequency of stillborn piglets, and farrowing assistance. Journal of Animal Science 96, 2320–2331.
 
R. A. Oliveira, J. S. Neves, D. S. Castro, S. O. Lopes, S. L. Santos, S. V. C. Silva, V. O. Araújo, M. F. A. Vieira, B. B. D. Muro, D. F. Leal, R. F. Carnevale, G. Almond4 and C. A. P. Garbossa 2020. Supplying sows energy on the expected day of farrowing improves farrowing kinetics and newborn piglet performance in the first 24 h after birth. Animal 14:11, 2271–2276.
 

11/05/2021

Para sua segurança, altere a sua senha!


Informe a senha antiga, a nova senha e, em seguida, repita a nova senha e clique o botão salvar.


Senha Antiga


Nova Senha


Repita a Nova Senha


   
Label