Bolsa de Suínos
DataDiferidoTributado
21/01/20216,100,00
14/01/20217,200,00
07/01/20217,600,00
23/12/20207,600,00
Notícias
21/01/2021 •  Bolsa de Suínos do Interior de Minas (BSim) define preço a R$ 6,10
20/01/2021 •  Coosuiponte fecha auditoria anual com excelência nos relatórios
20/01/2021 •  [Opinião] Qual a relação dos custos de produção com os preços dos suínos vivos em 2020?
19/01/2021 •  [Na mídia] Em 10 dias, exportações de carne suína já são metade de janeiro de 2020
Galerias
31/01/2020 •  Confira as fotos da 10ª Suinfest - 2018
07/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 07/7
06/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 06/7
05/07/2016 •  Fotos: Jantar de Abertura 9ª Suinfest (dia 05/7)
Notícias

[Ourofino - Empresa +Parceira] Problemas Geniturinários em Fêmeas Suínas




Por Andrea Panzardi
Especialista Técnico Biológicos Suínos
 
 
Os distúrbios relacionados ao aparelho geniturinário de matrizes suínas estão entre os principais responsáveis pela diminuição da rentabilidade de granjas comerciais de suínos. Existem inúmeros transtornos envolvidos nas diferentes fases do ciclo produtivo, tais como: abortamento, anestro, descargas vulvares, distocia, retorno ao cio, mumificação, natimortalidade, Síndrome MMA (metrite, mastite e agalactia), matrizes vazias ao parto e cistite. As causas destes transtornos podem ter inúmeras origens, tais como: infecciosa, falhas de manejo, sazonalidade, deficiências nutricionais, deficiências de infraestrutura, entre outras. 
 
 
Os prejuízos causados pelos problemas geniturinários na produção podem ocorrer de inúmeras maneiras, estando, frequentemente, relacionados com a redução da taxa de concepção e taxa de parto, com a redução do total de leitões produzidos, com o aumento do número de dias não produtivos (DNP) das matrizes na granja, com o aumento da taxa de descarte de matrizes e, consequentemente, influenciando a taxa de retenção. Portanto, gerando ineficiência do plantel em todas as fases do ciclo reprodutivo. 
 
 
Dentre as principais causas de problemas relacionados ao aparelho geniturinário em matrizes suínas, podemos citar a cistite, que em muitas vezes acabam evoluindo para um quadro de infecção urinária.
 
 
A infecção urinária na fêmea em produção é um dos mais importantes problemas que ocorre nos sistemas intensivos de produção de suínos, devido a sua relação com transtornos reprodutivos e por provocar aumento na taxa de descarte. Além disso, é a causa mais comum de morte súbita em porcas gestantes e lactantes (DALLA COSTA & SOBESTIANSKY, 1999). Devido à sua alta frequência e relação com problemas reprodutivos, essa é a doença endêmica mais importante dos suínos (SOBESTIANSKY et al., 1995). 
 
 
De acordo com Silveira et al. (2006), existe estreita relação entre as infecções urinárias e problemas reprodutivos, tais como a redução do tamanho da leitegada, falhas de concepção, hipogalaxia e descargas vulvares. Por isso, devido as consideráveis perdas econômicas que esta doença pode causar, existe a necessidade de monitorar constantemente o plantel de fêmeas quanto à prevalência de infecção urinária.
 
 
De acordo com Sobestiansky & Barcellos (2007), rebanhos com prevalência de infecção urinária superior a 16% representam problema grave e em evolução, por isso é importante a correção dos fatores de risco, o tratamento maçal do rebanho com quimioterápicos e uso de acidificantes.
 
 
Tendo em vista a importância da ocorrência infecção urinária nos planteis comerciais de suínos, essa doença precisa ser monitorada e mensurada constantemente. Para que isso ocorra, se faz necessária a coleta da primeira (1ª) urina da manhã, antes do arraçoamento, principalmente, de fêmeas com idade de gestação ente 70 e 110 dias. O número de amostras coletadas depende do número de matrizes da granja. Os primeiros jatos de urina devem ser descartados com o objetivo de evitar contaminação com matéria orgânica. As amostras devem ser analisadas com o auxilio de fitas reativas quanto aos parâmetros químicos, como presença de nitrito, sangue, proteína, densidade e pH. Os parâmetros físicos, como o aspecto e a coloração da urina, podem ser avaliados visualmente. Cada parâmetro químico-físico representa uma informação importante para a granja e pode servir para tomada de decisão. 
 
 
Com o objetivo de auxiliar o suinocultor no controle de doenças relacionadas ao aparelho geniturinário, a Ourofino Saúde Animal dispõe de uma potente ferramenta, o Resolutor. O Resolutor é indicado para o tratamento de desordens geniturinárias como: cistites, corrimentos vulvares de origem infecciosa e Síndrome MMA (metrite, mastite e agalactia). O Resolutor é composto por 20% de marbofloxacina, um potente antimicrobiano de amplo espectro de ação, pertencente ao grupo das quinolonas de 2ª geração, também conhecidas como fluorquinolonas. Através da Inibição da síntese da enzima DNA Girase das Bactérias, o Resolutor impede a síntese proteica bacteriana, causando a morte bacteriana. Por este motivo o Resolutor possui efeito bactericida. 
 
 
O Resolutor possui baixa ligação com as proteínas do plasma sanguíneo, por esse motivo possui alta biodisponibilidade no organismo, alcançando altas concentrações principalmente nos tecidos afetados. Por ser altamente lipossolúvel, o Resolutor tem excelente penetração no aparelho geniturinário, um importante diferencial frente a antibióticos de outros grupos. Recomendamos a aplicação intramuscular de 1 ml de Resolutor para cada 25 kg de peso vivo, representando dose de 8 mg/Kg de peso vivo, em dose única. O abate de animais pode ocorrer 4 dias após o tratamento.   
 
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 
DALLA COSTA, O. A., SOBESTIANSKY, J. Como controlar a infecção urinária em matrizes suínas em produção. INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA O SUINOCULTOR 10 Mar/1999.
 
SOBESTIANSKY, J., PERUZO, B. P., COSTA, O. D., WENDT, M. Infecção urinária de origem multifatorial na fêmea suína em produção Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA–CNPSA No 16 – Outubro/1995.
 
SILVEIRA, P. R., BUZATO, A. M., CABRAL, H. C., AMARAL, A. L., ZANELLA, E. Relação entre infecção urinária e problemas puerperais em porcas. Comunicado técnico 433 Dezembro/2006 Concórdia-SC.
 
SOBESTIANSKY, J., BARCELLOS, D. Doença dos Suínos. Goiânia: Cânone, 2007, 770p.
 

 


22/12/2020

Para sua segurança, altere a sua senha!


Informe a senha antiga, a nova senha e, em seguida, repita a nova senha e clique o botão salvar.


Senha Antiga


Nova Senha


Repita a Nova Senha


   
Label