Bolsa de Suínos
DataDiferidoTributado
21/01/20216,100,00
14/01/20217,200,00
07/01/20217,600,00
23/12/20207,600,00
Notícias
21/01/2021 •  Bolsa de Suínos do Interior de Minas (BSim) define preço a R$ 6,10
20/01/2021 •  Coosuiponte fecha auditoria anual com excelência nos relatórios
20/01/2021 •  [Opinião] Qual a relação dos custos de produção com os preços dos suínos vivos em 2020?
19/01/2021 •  [Na mídia] Em 10 dias, exportações de carne suína já são metade de janeiro de 2020
Galerias
31/01/2020 •  Confira as fotos da 10ª Suinfest - 2018
07/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 07/7
06/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 06/7
05/07/2016 •  Fotos: Jantar de Abertura 9ª Suinfest (dia 05/7)
Notícias

Entrada da China no mercado de grãos irá revolucionar a produção de milho




O ano de 2020 poderá ficar marcado por uma mudança substancial no mercado mundial de milho, com a entrada efetiva da China na lista de importadores. E essa participação deverá ser significativa, capaz de “perturbar” os preços em países produtores como o Brasil. Foi o que confirmou o economista Alexandre Mendonça de Barros, sócio-fundador da consultoria MB Agro, para quem o gigante asiático poderá importar entre 22 milhões e 28 milhões de toneladas do grão no ano que vem, ou cerca de 15% de todo o volume comercializado no mercado internacional hoje.
 
 
Todo esse volume irá impactar nos preços praticados, no Brasil. O milho é um dos principais ingredientes que fazem parte da dieta suína. Ou seja, a suinocultura vai sentir, no preço e no estoque.  Na avaliação do presidente da Assuvap, Fernando Araújo, o cenário para o próximo ano ainda é de desafios. 
 
 
“O cenário para o ano de 2021 é desafiador. Os custos de produção estão em patamares acima da média histórica com o milho e o farelo de soja batendo recordes de preços, neste contexto a remuneração da atividade passa a depender do poder de compra do consumidor no mercado interno e de vendas excepcionais no mercado externo de carne suína. A entrada da China, um gigante da economia mundial, na produção de suínos tecnificada está alterando muito rapidamente a dinâmica de preços do milho e do farelo de soja, portanto é um fato novo que deve ser visto com prudência pelos suinocultores, pois a China, nosso principal comprador de carne suína, se movimenta para ser menos dependente do mercado externo”.
 
 
O grande volume potencial de importações é para suprir a transformação em curso na suinocultura chinesa, com a recuperação do rebanho após grande parte dele ter sido dizimada com a peste suína africana. Mendonça de Barros indicou que está havendo naquele país investimentos “pesados” de grandes grupos de criadores, com até 3 milhões de cabeças.
 
 
Segundo o jornal Valor Econômico, o perfil da criação chinesa mudará e passará a consumir mais ração, produzida a partir dos grãos importados. A produção de carne suína na China deverá aumentar em 6 milhões de toneladas em 2021, ainda longe de alcançar o patamar registrado antes da peste. Até lá, o país continuará demandando grãos, mesmo produzindo cerca de 260 milhões de toneladas de milho. O economista prevê que o rebanho chinês, que já foi de 350 milhões de cabeças de suínos, será recomposto até o fim de 2022.
 
 
O “desafio” para as companhias brasileiras de proteína animal será disputar esse milho com os chineses, que compram com grande antecipação (até três safras). “Falta desenvolver um mercado futuro de suíno e de frango, porque aí se trabalharia custo e receita, assim como a indústria americana trabalha. A cadeia deve tentar criar ferramentas nessa direção”, afirmou Mendonça de Barros durante a apresentação online.
 
Com informações do Portal MBAgro
 

25/11/2020

Para sua segurança, altere a sua senha!


Informe a senha antiga, a nova senha e, em seguida, repita a nova senha e clique o botão salvar.


Senha Antiga


Nova Senha


Repita a Nova Senha


   
Label