Bolsa de Suínos
DataDiferidoTributado
17/09/20208,300,00
10/09/20208,300,00
03/09/20208,300,00
27/08/20207,900,00
Notícias
17/09/2020 •  [Artigo - DB empresa +Parceira] Alta performance e resultados inéditos marcam trajetória da Granja Boa Esperança
17/09/2020 •  [Deode - empresa +Parceira] Economia de energia pode ser seu melhor investimento
17/09/2020 •  Bolsa de Suínos do Interior de Minas (BSim) define preço a R$ 8,30
16/09/2020 •  [Artigo - Ceva empresa +Parceira] Uma nova solução contra os principais desafios da suinocultura
Eventos
25/09/2020 •  Confira os próximos eventos da suinocultura
Galerias
31/01/2020 •  Confira as fotos da 10ª Suinfest - 2018
07/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 07/7
06/07/2016 •  Fotos: 9ª Suinfest, dia 06/7
05/07/2016 •  Fotos: Jantar de Abertura 9ª Suinfest (dia 05/7)
Notícias

[Opinião] A equivalência aos R$ 7,0 por kg de suíno vivo já aconteceu várias vezes no passado. Entenda como isso é possível




É a primeira vez que acontece isso?
 
O preço nominal do kg do suíno vivo está em R$ 7,00
 
Por Alvimar Jalles*
 
 
É a primeira vez que acontece isso?
 
 
Nominalmente sim mas, se observarmos uma série de preços médios mensais, corrigidos pela inflação brasileira do período pós Plano Real que aconteceu em 1994 e combateu décadas de inflação crônica e descontrolada, vamos encontrar uma repetição desse patamar de valor em média de 4 em 4 anos. Algumas vezes mais cedo, outras um pouco mais tarde, como mostra a Figura 1.
 
 
 
Na tabela 1 temos uma análise desses períodos, com os preços de pico atualizados pelo IGP-M.
 
 
Isso garante que seja um evento cíclico?
 
 
Não diria isso. Em economia e mercados o futuro não está contido no passado, embora analisar passado seja uma forma de procurarmos algum entendimento dos eventos que alteram os negócios e nossas vidas.
 
 
O preço máximo desse período pós Plano Real aconteceu em dezembro de 2004 com o equivalente a preços atuais de R$ 7,68. O pico daquela data foi devido ao enxugamento da produção e oferta resultante da crise de 2002/2003. A suinocultura era mais pulverizada e o mercado “spot” era muito maior.
 
 
Embora eu acredite que iremos superar os preços daquele momento pelo encontro de 2 eventos de grande magnitude de transformação que são o enxugamento de oferta de suínos na Ásia associado à Epidemia de Covid19, vale uma reflexão sobre o que está acontecendo com a cadeia de produção no longo prazo.
 
 
Desde então, a suinocultura brasileira vem se verticalizando gradativamente e os tradicionais ciclos do capitalismo, resultantes das flutuações de médio prazo da oferta e da procura podem estar se alterando.
 
 
Como exercício, tente imaginar o que teria acontecido com a suinocultura brasileira a partir de 2018 sem os eventos que diminuíram a produção de suínos na Ásia, especialmente na China.
 
 
Para facilitar, observe o gráfico abaixo de abate trimestral em kg baseado nos dados do IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística abaixo (Figura 2).
 
 
 
Prepare-se para o futuro com um olhar crítico sobre o passado.
 
 
A produção de suínos vivos pela agroindústria não é para a comercialização, é apenas como matéria prima para os seus produtos de frigoríficos visando o consumidor final na ponta do varejo. É uma lógica diferente do produtor independente.
 
 
O intervalo de “solução pelos preços” para a parcela de produtores independentes pode estar ficando cada vez mais longo pela resiliência da produção nacional.
 
 
Dessa forma, se preparar financeiramente, tecnologicamente e na gestão pode ser decisivo para ultrapassar e superar o próximo ciclo de baixa.
 
 
Um dia ele virá!
 
 
*Alvimar Jalles escreve, periodicamente, para o site 333 onde o texto foi publicado
 

 


05/08/2020

Para sua segurança, altere a sua senha!


Informe a senha antiga, a nova senha e, em seguida, repita a nova senha e clique o botão salvar.


Senha Antiga


Nova Senha


Repita a Nova Senha


   
Label